30 de abr de 2012

Prelúdio


Ouvi muitas vozes e várias orientações (diretas e indiretas), que me conduziram e ainda me guiam nas escolhas dentro do universo artístico. E lembrando os passos dados, relembro também das/os protagonistas que fizeram a história das Artes em Goiás. Estado, lugar que me despertou para essa difícil e conflituosa possibilidade, repleta de segredos e encantos, que deu sentido especial à minha vida.

Posso dizer que sou artista não porque já me considero pronto ou por ter alcançado alguns voos. Sou artista porque estou num estado compulsivo. Não consigo deixar de fazer, de pensar, e de falar sobre arte.

Minha inserção artística se iniciou pelo campo pictórico. As cores me encantavam, me afetam até hoje. Talvez os temas tenham sido apenas pretexto para usar as cores.  E se antes elas apenas “coloriam”, hoje ao serem metaforizadas, deslocadas dão sentido ao trabalho. As cores são conceitos, são ideias que alimentam um pensamento pictórico de símbolos culturais na minha produção.

De onde venho
Tantos e tantas são aqueles/as que em épocas diferentes, e com trabalhos diversos foram e são importantes para mim. Artistas que de alguma forma tornaram meu caminho menos tortuoso, amenizaram os obstáculos, foram valentes.

Isso não significa que outras pedras não precisam ser removidas, porque cada período é como uma encruzilhada, com novos desafios. Mesmo assim, acredito no quanto a memória faz parte do que sou, por isso destaco estas referências.

“Quando não souberes para onde ir, olha para trás e saiba pelo menos de onde vens”. Provérbio africano

Tradição, rupturas, inserção de novos valores e movimentos
Nos anos de 1970, o escultor alemão Gustav Ritter e o pintor italiano Nazareno Confaloni trouxeram para Goiás a experiência das vanguardas artísticas. Seus trabalhos em escultura, pintura e gravura valorizavam o homem e as paisagens locais.

Alguns eventos foram significativos para o despertar das artes no Estado, como a I Bienal de Artes Plásticas de Goiás, que culminou na participação de goianos na XI Bienal Internacional de São Paulo.

Tais iniciativas geraram um ciclo produtivo com diversos “frutos”, como a criação do Museu de Arte de Goiânia, o curso de Artes Plásticas na Universidade Federal de Goiás e o Concurso Nacional de Artes Plásticas da Caixego. Também como parte deste novo cenário, tem-se a atuação da marchand Célia Câmara, na valorização da arte produzida em Goiás e no surgimento de novos artistas e no reconhecimento daqueles que até então eram desconhecidos. Todo esse trabalho elevou o Estado para além do Paranaíba.

Não se trata de um panorama histórico, nem de uma pesquisa acadêmica sobre a Arte Goiana, mas sim a tentativa de pontuar artistas e trabalhos que considero relevantes. Logo, citar nomes é um risco, mas também não fazê-lo é se omitir.





Dalton Paula
2ª Gemelar
Óleo sobre tela
50 x 60 cm
2008


Dalton Paula
Comunhão
Óleo sobre tela  e folhas de prata
70 x 90 cm
2009
Foto: François Calil






Dalton Paula
Reisado
Óleo sobre tela
70 x 90 cm
2009
Foto: François Calil




Dalton Paula
A Farmácia
Óleo sobre tela
80 x 120 cm
2009
Foto: François Calil


Nenhum comentário:

Postar um comentário