18 de mai de 2012

Álbum, luz e memória


Comumente guardado nas gavetas, armários e baús, os álbuns de família pertencem à instância do íntimo, do segredo, algo do interior, restrito à família e amigos próximos. São histórias de momentos que marcam nossa vida, como aniversários, férias, ritos de passagem, datas festivas e memórias de entes queridos. Enfim, um universo de encantos e mistérios.

Este trabalho surgiu de um revisitar meus álbuns de família, experiência que me trouxe saudades, boas e más lembranças. A partir disso, propus ao espectador, a possibilidade de literalmente adentrar, se relacionar com minha “intimidade”, ao poder pisar, sentar, deitar e rolar sobre minhas lembranças,  já que estes desenhos foram colados no chão, foram criados para a exposição, e semelhante a nossa memória, também sofreram a ação do tempo, se danificaram, compuseram um jogo de lembrança e esquecimento, e tiveram fim, se perderam. Encarno o poeta de Bachelard, que como a imensidade da noite, pode indicar os caminhos da profundidade íntima.

Cada imagem revisitada foi traduzida em desenho, derivado de um pensamento pictórico que pensa o croqui como suporte para uma pintura posterior. É desse lugar que surge o desenho, destes estudos que serão transformados em pinturas.

Também na forma os desenhos com dimensão de 10 x 15 cm, remetem ao tamanho mais popular de fotografia. Desenho que se propõe a ser síntese, rápido como lembranças fugidias, que ora sob o efeito da luz ou da penumbra se mostram ou se escondem, solicitam a quem olha sua completude.

E mais do que isso, fui surpreendido com a capacidade de identificação daqueles/as que foram à exposição, porque não apenas a viam, tentavam desvendar o que estava em cada desenho, pinçavam entre as imagens, informações que remetiam as suas próprias lembranças, suas próprias histórias, que junto às minhas se cruzavam, se distanciavam, emergiam. Percebi aqui o quanto é instigante utilizar a experiência individual, pessoal para atingir o coletivo.

Nota
BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de: Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2008.


  

Dalton Paula
O álbum (Panorâmica 1)
55m2
Desenho instalação
Mista (grafite, nanquim, guache e pincel marcador)
Foto: Vinícius de Castro
2010





Dalton Paula
O álbum (Panorâmica 2)
55m2
Desenho instalação
Mista (grafite, nanquim, guache e pincel marcador)
Foto: Vinícius de Castro
2010




Dalton Paula
O álbum (Panorâmica 3)
55m2
Desenho instalação
Mista (grafite, nanquim, guache e pincel marcador)
Foto: Vinícius de Castro
2010


  

Dalton Paula
O álbum (Recorte 01)
55m2
Desenho instalação
Mista (grafite, nanquim, guache e pincel marcador)
Foto: Vinícius de Castro
2010






Dalton Paula
O álbum (Recorte 02)
55m2
Desenho instalação
Mista (grafite, nanquim, guache e pincel marcador)
Foto: Vinícius de Castro
2010






Dalton Paula
O álbum (Recorte 03)
55m2
Desenho instalação
Mista (grafite, nanquim, guache e pincel marcador)
Foto: Vinícius de Castro
2010





Nenhum comentário:

Postar um comentário